Estado de São Paulo estuda flexibilizar uso de máscara a partir de 1º de dezembro

Data é uma estimativa apresentada pelo coordenador do Comitê Científico, João Gabbardo, caso os números de casos e óbitos continuem em queda no Estado

ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO – 20/09/2021Flexibilização está sendo estudada para ambientes abertos e sem aglomeração

O governo do Estado de São Paulo anunciou nesta quarta-feira, 3, que pretende flexibilizar o uso de máscaras a partir do dia 1º de dezembro. A data é uma estimativa apresentada pelo coordenador do Comitê Científico, João Gabbardo, caso os números de casos e óbitos por Covid-19 em São Paulo continuem diminuindo no mesmo patamar de queda apresentado em outubro, o mês com menos óbitos provocados pelo coronavírus desde abril de 2020. Foram 2.192 mortes em São Paulo em outubro — antes, o menor registro era o de abril de 2020, com 2.239 óbitos. Na terça-feira, 2, o Estado registrou uma queda de 93% nas mortes por Covid-19 ante o início de abril de 2021. “Temos bons índices acumulados nas últimas nove semanas aqui em São Paulo, e a razão é a vacinação. São Paulo é o estado que mais vacina no Brasil”, afirmou o governador João Doria (PSDB). A proporção da população adulta com esquema vacinal completo saiu de 3,6% em 1° de abril para 88% até o início da tarde desta quarta.

Apesar dos números animadores, Gabbardo afirmou que ainda não é o momento para permitir a retirada das máscaras em ambientes abertos. “A posição do Comitê Científico é de que esse momento não é seguro e adequado para a liberação do uso das máscaras. Nós estamos exatamente em uma transição importante em que não deve haver mais distanciamento mínimo, os estádios de futebol vão poder receber as pessoas de acordo com a sua capacidade e várias atividades estão voltando à normalidade. Então nós esperamos observar melhor essas questões antes da liberação das máscaras”, explicou o coordenador. Segundo ele, o Comitê Científico elaborou um conjunto de quatro indicadores para analisar a flexibilização do uso do equipamento de segurança. São eles: o número de novos casos para a mencionar a circulação do vírus, o monitoramento das taxas de internação, óbitos e vacinação.

“Quando nós atingirmos os quatro indicadores, o Comitê Científico encaminhará ao governo do Estado a possibilidade da liberação em ambientes abertos e sem aglomeração. Se continuarmos com esses indicadores em queda, é possível atingirmos esses indicadores até a última semana epidemiológica do mês de novembro e, para o início do mês de dezembro, é possível que haja a liberação do uso de máscaras em ambientes abertos e sem aglomeração”, afirmou Gabbardo. Para haver a flexibilização, será necessário que 75% da população do Estado esteja imunizada, o número de internações seja inferior a 300 e a média móvel de casos esteja abaixo de 1.100 e a de óbitos, menor que 50. Nesta quarta-feira, a taxa de ocupação dos leitos de UTI no Estado é de 25,94% e na Grande São Paulo é de 34,9%. Há 3.189 pacientes internados no Estado, sendo 1.509 em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e 1.680 em enfermaria. No dia anterior, eram 1.556 pacientes em UTIs e 1.676 em enfermaria.



Fonte: Jovem Pan