Para evitar desabastecimento de testes de Covid-19, associação pede prioridade a pacientes graves

Segundo dados da Abramed, procura pelos exames aumentou 98% entre as semanas do Natal e os dias 3 e 8 de janeiro; rede Raia Drogasil suspendeu agendamento por tempo indeterminado

FABRÍCIO COSTA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOProfissional da saúde realiza teste RT-PCR em mulher

Para evitar o desabastecimento de testes de Covid-19, a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) recomendou aos laboratórios privados brasileiros que interrompam a testagem de pacientes assintomáticos ou com poucos sintomas para a doença. A diretriz consta em nota técnica divulgada nesta quarta-feira, 12. A demanda pelos exames aumentou em razão do surto de gripe e da escalada no número de casos de coronavírus no país. A Abramed também pede sensibilidade a órgãos como o Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), por exemplo, sobre “a importância de otimizar o uso dos testes disponíveis até que a situação seja normalizada”.

“A Abramed alerta que, assim como em outras partes do mundo,  a alta demanda de exames laboratoriais para o diagnóstico da Covid-19 trouxe ao setor de medicina diagnóstica brasileiro a preocupação com a falta de insumos necessários para a realização desses exames”, diz um trecho da nota técnica da associação. “A alta transmissibilidade da nova variante Ômicron causou aumento exponencial de casos, o que vem demandando significativo aumento da  capacidade produtiva global de testes, tanto de PCR como de antígeno, e se os estoques não forem recompostos rapidamente poderá ocorrer a falta de oferta de exames”, segue a Abramed.

Diante deste quadro, a associação recomenda que a testagem priorize uma escala com cinco grupos: pacientes que tenham maior gravidade de sintomas; pacientes hospitalizados e cirúrgicos; pessoas no grupo de risco; trabalhadores assistenciais da área da saúde; e colaboradores de serviços essenciais. A entidade também afirma que, neste momento, não é possível mensurar até quando os laboratórios brasileiros terão testes disponíveis, destacando, porém, que “há um risco real de desabastecimento”.

Segundo levantamento da Abramed, entre os dias 3 e 8 de janeiro, houve um aumento de 98% no número de exames realizados, em comparação com a semana do Natal, período compreendido entre 20 e 26 de dezembro. Além do salto na procura, houve aumento na taxa de positividade dos testes. Neste mesmo período, o volume de resultados positivos foi de 7,6% para mais de 40% nesta primeira quinzena de 2022.

A alta demanda da população causou o esgotamento dos estoques de testes do grupo Raia Drogasil, que suspendeu o agendamento dos exames por tempo indeterminado (veja imagem abaixo). “A RD-RaiaDrogasil está atuando na reposição dos estoques para o abastecimento de suas lojas o mais breve possível”, afirma a companhia. As unidades que possuem testes remanescentes podem utilizá-los. A rede reúne mais de duas mil lojas em 24 Estados.

Print de tela do site do grupo Raia Drogasil

Grupo Raia Drogasil suspendeu o agendamento de testes de Covid-19 – Reprodução/Raia Drogasil



Fonte: Jovem Pan